segunda-feira, 17 de setembro de 2012

CAPÍTULO VI - PARA TRANSFERIRDES VOSSO FARDO

(Processo para impressionardes vosso subconsciente)

                                       Vinde a mim todos vós que trabalhais e tendes pesados fardos e eu vos aliviarei.

Mateus, 11:28

mão de cristoQuando tiverdes adquirido o conhecimento de vós mesmos e das operações de vossa mente, vosso maior desejo será encontrar um meio fácil e eficiente para impressionardes o vosso subconsciente com bons pensamentos, pois tereis compreendido que o simples conhecimento intelectual da Verdade não é suficiente para produzir resultados.

Vosso subconsciente se acha repleto dos reflexos e imagens de vossos atos e pensamentos passados, e é preciso que o impressioneis com as idéias superiores do superconsciente para que a sua atividade criadora produza as coisas de acordo com os vossos desejos.

Pelo estudo e a observação, verifiquei que o modo mais fácil de “transferir o fardo” é o processo ensinado por Jesus Cristo e explicado da seguinte forma por um metafísico: “A única coisa que dá peso a um objetivo é a lei da gravidade e, se levardes uma pedra a uma grande altura no espaço, ela perderá seu peso. É isso que Jesus Cristo designou quando disse: ‘Meu jugo é fácil e meu fardo é leve’.”

Ele havia vencido a vibração do mundo e agia no plano da quarta dimensão, no qual só existe perfeição, vida, alegria e complemento.

Declarou ele: “Vinde a mim, vós todos que trabalhais e tendes pesados fardos e eu vos aliviarei”, – “Tomai sobre vós o meu jugo, pois meu jugo é fácil e meu fardo é leve”.

No salmo 55, também, o rei-cantor aconselha: “Lança sobre o Senhor a tua carga”.

Muitos trechos da Bíblia afirmam que a batalha é de Deus e não do homem, e que este deve sempre “manter-se quieto” e ver a salvação do Senhor.

Isso indica que a vossa mente superconsciente ou o vosso Cristo interno é a parte de vosso ser que combate nas vossas lutas e que alivia vossa carga.

Portanto, se carregardes um fardo, ou mantiverdes um pensamento mau, doentio ou desanimado, estareis transgredindo a lei, e esse pensamento ou estado tem sua base em vosso subconsciente.

Parecer-vos-á quase impossível abrirdes uma entrada de vossa mente consciente ou raciocinadora para o subconsciente, pois vossa mente consciente, ou intelecto é limitada em suas concepções e se acha repleta de dúvidas e temores.

É, pois, um processo científico o ato de transferirdes o vosso fardo para vossa mente superconsciente, ou o Cristo interno, no qual se “torna leve” ou é dissolvido no seu “nada natural”.

Por exemplo: certa senhora, achando-se em urgente necessidade de dinheiro, fez a seguinte afirmação: Transfiro o fardo da falta de dinheiro para o meu Cristo interno e sigo livremente para a abundância!

A crença na necessidade e falta de dinheiro era o seu fardo e, logo que o transferiu para o Cristo interno, o superconsciente inundou o subconsciente com a sua crença na abundância e daí resultou numa avalanche de suprimento.

Como escreveu o apóstolo: “O Cristo em vós é a esperança de glória”.

Outro exemplo desta lei: uma aluna de certa mentalista, tendo recebido um piano novo, viu-se embaraçado por não ter lugar para ele, sem que fosse retirado o piano velho. Desejava conservar o piano velho, porém não sabia para onde mandá-lo. Sentiu-se desesperada, pois o piano devia ser-lhe mandado imediatamente, e com efeito já se achava a caminho, sem haver lugar para ele. Teve a idéia de repetir várias vezes: “Transfiro esta carga para o meu Cristo interno e fico livre”.

Momentos depois, o telefone soou e uma amiga perguntou-lhe se queria alugar o seu velho piano, e assim foi ele retirado antes da chegada do novo.

Uma esoterista refere que conhece uma senhora, cujo fardo era o ressentimento. Foi aconselhada a fazer a afirmação seguinte: “Transfiro o fardo do ressentimento para o Cristo interno, e fico livre, tornando-me amável, harmoniosa e feliz”.

Em pouco tempo, o onipotente poder superconsciente inundou o seu subconsciente de amor e toda a vida dela se transformou. Durante anos, o ressentimento a conservara num estado de tormento e mantivera sua alma ou mente subconsciente aprisionada.

Deveis fazer as vossas afirmações muitas e muitas vezes, mesmo durante horas inteiras, silenciosa ou audivelmente, com calma e firmeza ao mesmo tempo.

Muitas vezes, comparei a prática da concentração e afirmação ao ato de dar corda numa vitrola, na qual, de tempos em tempos, é preciso refazer a corda despendida. Deveis dar corda em vossa máquina subconsciente por meio das palavras proferidas.

Observei muitas vezes que, pouco depois de ter “transferido o fardo”, a pessoa parece ver as coisas com maior clareza.

Será impossível terdes uma visão mental clara, se estiverdes envolto nas malhas da mente carnal. As dúvidas e os temores envenenarão vossa mente e vosso corpo, fazendo vossa imaginação vagar, arrastando-vos para o desastre e a moléstia.

Pela repetição persistente da afirmação: “Transfiro este fardo para o Cristo interno e fico livre”, vossa vista mental se tornará clara e, com isso, tereis uma sensação de alívio, vindo no tempo oportuno a manifestação do bem como saúde, felicidade ou suprimento.

Antes do alvorecer, apresenta-se sempre a noite da dúvida e do desânimo, que deve ser tenazmente combatida por um esforço persistente em manter uma fé inabalável.

Quase sempre, antes de alguma grande vitória e manifestação do poder espiritual, “tudo parece correr mal” e uma profunda depressão obscurece a consciência. Isso quer dizer que as dúvidas e temores do passado estão surgindo do fundo do subconsciente. Essas velharias do subconsciente começam a surgir à tona para serem expulsas.

É então que deveis fazer soar os címbalos, como Josafat, e dar graças por estardes salvo, embora vos pareça que estais rodeado pelo inimigo, isto é, pelo estado de necessidade ou moléstia, que o subconsciente procura exagerar.

Quanto tempo tereis de permanecer nessa obscuridade? Até poderdes ver na escuridão; o ato de descarregardes vosso fardo prepara vossos olhos para verem na escuridão.

Para fazerdes impressão em vosso subconsciente é preciso que tenhais uma fé ativa.

Neste livro tenho procurado provar-vos que “a fé sem obras é morta”.

Jesus Cristo mostrou fé ativa quando “ordenou à multidão que se assentasse”, antes de dar graças a Deus pelos pães e os peixes.

Darei outro exemplo para mostrar-vos quanto é necessário confirmar a fé pelos atos. A fé ativa é a ponte sobre a qual tereis de passar para entrardes na Terra Prometida.

Por causa da desinteligência com seu marido, uma senhora se viu separada dele e isso a feriu profundamente, porque o amava muito. Ele recusava todas as propostas de reconciliação e nem mais queria comunicar-se com ela. Vindo a conhecer a lei espiritual, ela negou firmemente a aparência de separação, empregando para isso a afirmação seguinte:

“Não há separação na mente divina e, portanto, não posso ser separada do amor e da companhia que me pertencem por direito divino”.

Para mostrar a sua fé ativa, guardava diariamente à mesa um lugar para o marido, gravando no subconsciente a imagem de sua volta.

Passou-se quase um ano, porém ela não vacilou, e um dia ele entrou em casa.

A música é, muitas vezes, um bom meio de impressionar o subconsciente. A música atua na quarta dimensão e liberta a alma de sua prisão carnal. Faz também que coisas admiráveis pareçam possíveis e de fácil realização!

Certa senhora costumava empregar a sua vitrola para esse fim. Com o auxílio dela, colocava-se em estado mental harmonioso e calmo, e ativava a imaginação criadora.

Outra senhora costumava dançar quando fazia as suas afirmações . O ritmo e a harmonia da música davam à palavras uma grande força.

Invariavelmente, antes de um resultado importante, apresentam-se os “sinais de terra”.

Antes de Colombo avistar as terras da América, viu pássaros e galhos de de árvores, que foram sinais de que se aproximava da terra. O mesmo se dá com a vida espiritual; porém, muitas vezes o estudante toma esses “sinais” pela própria coisa e fica descontente.

Por exemplo, uma senhora tinha feito a afirmação ou “proferido a palavra” que receberia um jogo de pratos. Mandaram um prato quebrado e ela se queixou por isso. Explicaram-lhe então que aquele prato era apenas um “sinal” de que o jogo de pratos estava a caminho e, com efeito, não demorou muito a chegar.

Aparentar ser uma coisa, desde que não seja em detrimento de outrem, é um bom meio de impressionar o subconsciente. Se aparentardes viver na prosperidade e ter uma vida feliz, estareis semeando uma planta cujos frutos colhereis no seu devido tempo.

Havia uma senhora muito pobre, porém ninguém podia fazê-la sentir-se pobre. Alguns amigos ricos a auxiliavam com pequenas e continuamente lhe recordavam sua pobreza, recomendando-lhe cuidado e economia. Porém, apesar das advertência, ela gastava tudo num chapéu ou um presente e conservava-se sempre alegre. Sua mente estava sempre ocupada com as idéias de belos vestidos, anéis e outras coisas luxuosas, porém não tinha inveja dos outros. Vivia num mundo de maravilhas e só as riquezas lhe pareciam coisas reais.

Passado algum tempo, casou-se com um homem rico, os anéis e as jóias tornaram-se objetos visíveis. Não se pôde comprovar se o homem com quem casou era o “escolhido por Deus”, porém é certo que a opulência foi a única coisa que pediu, e a obteve.

Enquanto não tiverdes arrancado o medo de vosso subconsciente, não podereis ter paz ou felicidade. O medo é uma energia mal dirigida, a qual precisa receber nova direção ou ser transmutada na fé. Disse Jesus: “Por que temeis, homens de pouca fé?” Afirmou ainda: “Tudo é possível ao que crê”.

Se me perguntardes: “Como hei de libertar-me do medo?”, responder-vos-ei: “Enfrentando a coisa que temeis”

É de vosso temor que o leão recebe a sua valentia. Enfrentai o leão e ele fugirá; fugi, e ele correrá atrás de vós.

Mostrei-vos como é que o leão da necessidade desaparece quando despendeis vosso dinheiro sem temor, manifestando a fé em Deus como vosso suprimento infalível.

Muitos metafísicos saíram de suas limitações primitivas e alcançaram abundante suprimento por terem perdido o medo de despender seu dinheiro. Seus subconscientes ficaram impressionados pela verdade que Deus é, ao mesmo tempo, a Dádiva e o Dispensador e, portanto, como o é com a Dádiva.

Uma excelente afirmação para esse caso é a seguinte: “Agradeço, neste momento, a Deus Dispensado por ter recebido Deus que, ao mesmo tempo, é Dádiva”.

Os homens se separam por tanto tempo do seu bem e suprimento, por meio de pensamentos de separação, que, às vezes, é necessária a dinamite para desalojar essas falsas idéias do subconsciente e, nesse caso, a dinamite é uma situação difícil.

Pelos exemplos anteriores, vistes como é que os indivíduos ficaram livres de suas limitações – mostrando-se destemidos.

Deveis vigiar-vos a todo momento para verdes se o vosso motivo para agir é a fé ou o temor.

“Escolhei hoje a quem servirdes: ao temor ou à fé”.

Talvez vosso temor de moléstias ou de germes, deveis combater esse medo por meio de afirmações e não vos perturbar num ambiente infeccionado, pois assim ficareis imune. Somente podeis ser afetado pelos germes, quando vibrardes, no mesmo grau que eles, e o medo faz as vossas vibrações descerem a esse grau.

O ambiente dos germes e criação da mente carnal, pois todo pensamento deve objetivar-se.

Os germes não existem na mente superconsciente ou divina, sendo, portanto, produto da “vã imaginação humana”.

A vossa libertação virá num pestanejar de olhos quando vos compenetrardes que não há poder no mal.

Um dia, com o aperfeiçoamento geral da humanidade, o mundo material desaparecerá e será manifestado o mundo da quarta dimensão, o  Mundo das Maravilhas, sobre o qual diz S.João: “Vi um novo céu e uma nova terra… e não haverá mais pranto nem choro, nem dor, porque as coisas anteriores serão passadas”.

A teoria do processo de transferirdes o vosso fardo se apóia no princípio de que, se Deus vos criou é porque Ele precisa de vós para um fim determinado e as peripécias que vos faz passar se destinam a preparar-vos para poderdes cumprir esse fim, e, portanto, o interesse d´Ele para vossa conservação, progresso e aperfeiçoamento é cumprirdes voluntariamente a Sua Vontade para que tudo vos venha abundantemente e sem sacrifício de vossa parte.

Se tiverdes um conhecimento geral da Doutrina Oculta, sabeis que sois constituído da forma seguinte:

1o) O vosso EU SOU, que é um fragmento do Espírito Divino, denominado o Cristo interno pelos esoteristas e o Superconsciente pela psicologia moderna.

2o) A Vossa Mente Consciente, que é a sede de vossa Razão ou consciência exterior, também denominada Inteligência.

3o) A vossa Mente Subconsciente, que é a sede da memória e o depósito dos pensamentos, emoções e reações de vosso passado. Nela se acha acumulado tudo o que aprendestes de verdade e de erro em vosso passado.

4o) O vosso corpo físico.

São as idéias acumuladas em vossa mente subconsciente que constituem o vosso fardo, porque elas vos levam a esperar sempre a repetição das más condições passadas, impedindo que as idéias novas e progressistas do Superconsciente penetrem na vossa consciência e recebam a sua expressão através de vossa mente consciente.

Transferirdes o vosso fardo ao Superconsciente ou Cristo interno é entregardes os vossos problemas ao Superconsciente para que ele os resolva e depois vos apresente a solução que deveis executar.

Ele pode dar-vos imediatamente a solução, porém, geralmente há alguma demora devido à vossa dificuldade em entrar em contato com ele.

O vosso EU SOU, ou Cristo interno, é o vosso deus pessoal ou a partícula divina em vós, a qual tem todas as qualidades de Deus e todos os poderes para realizar as vossas aspirações, desde que não sejam prejudiciais às dos outros fragmentos divinos.

As afirmações se destinam a fazer que o vosso superconsciente manifeste suas forças criadoras; e, por isso, quanto mais convincente e apoiada nas leis universais for a vossa afirmação, mais poderosa e efetiva será.

Portanto, as afirmações baseadas nas palavras dos Mestres e, principalmente, dos profetas bíblicos têm grande força para impressionar o superconsciente, porque elas são formuladas de acordo com as Leis Universais da Criação, desde o movimento inicial do Espírito, atuando sobre a Substância pela Palavra.

Para dirigirdes as forças de vosso Superconsciente e lhes imprimirdes a orientação conveniente, a principal coisa que deveis fazer é comprenetrar-vos que o vosso Superconsciente é uma entidade real que penetra cada fibra de vosso ser, uma como força elétrica e irradiante de vosso corpo.

Pela vossa concentração frequente sobre o lado superconsciente de vossa entidade, produzireis o despertar de vossa consciência, a qual vos fará sentir que um ente novo e superior está surgindo em vós, o qual dispõe de um poder ilimitado. É o vosso Cristo interno que se desperta em vossa consciência e ao qual podeis entregar toda a responsabilidade de vossa vida.

Ele atenderá, com a máxima perfeição, a todos os encargos que lhe confiardes e, no momento exato em que vos for necessário, tereis a solução do problema que lhe entregardes. Ao dirigir-vos ao Cristo interno, é preciso que tenhais uma idéia clara daquilo que pedis ou quereis que tenhais uma idéia clara daquilo que pedis ou quereis que execute e sintais no vosso coração a vibração da força interna emitida por ele, pois se a vossa concentração for puramente mental ou mecânica, não conseguireis fazer que a vossa idéia ou pedido seja aceita pelo Cristo interno.

Quando fizerdes a vossa afirmação pela qual transferis para o vosso Cristo interno o peso de vossas responsabilidades materiais, deveis colocar-vos num estado mental calmo e tranquilo, e enquanto não conseguirdes pela vossa afirmação desfazer todo o estado mental agitado e emotivo, o vosso contato com Cristo não será perfeito e não podereis receber o que pedistes.

O sentimento profundo de calma e tranquilidade absoluta durante o tempo em que fizerdes a vossa afirmação é prova certa de que vosso pedido foi atendido e as forças divinas entraram em ação para executá-lo.

Na relação bíblica da história de Jacó, vemos que ele passou a noite inteira pelejando com o anjo para que o abençoasse e não o largou enquanto não recebeu a benção, isto é, a prova de que seu pedido de proteção havia sido aceito.

Assim também quando pretenderdes obter alguma coisa do Cristo interno, não abandoneis o vosso pedido, enquanto ele não vos der um sinal de que foi aceito.

Esse sinal é um sentimento de absoluta calma mental e a convicção íntima de que a dificuldade está resolvida.

Quando tiverdes chegado a esse resultado, sentireis uma inefável vibração de Harmonia com tudo o que vos rodeia, um Amor profundo pela humanidade e pelos vosso “inimigos”, o sentimento da mais perfeita Justiça reinará em vosso coração e a mais clara percepção da Verdade brilhará em vossa mente e, acima de tudo, tereis o completo alívio de vosso fardo.

Alegria e Triunfo – Lourenço Prado – Editora Pensamento

Nenhum comentário:

Postar um comentário